domingo, 4 de maio de 2008

My favourite band (and t-shirt)

A camiseta nossa de todos os dias surgiu em 1880, quando marinheiros americanos sentiram a necessidade de um uniforme mais flexível, que permitisse a eles a realização de tarefas mais complicadas. Na Segunda Guerra Mundial, a t-shirt já era uniforme obrigatório entre militares e marinheiros, tornando-se também um símbolo de virilidade e força. À medida que a Guerra avançou pelo mundo, os soldados americanos perceberam que a camiseta branca, tão útil para os marinheiros, fazia deles um alvo fácil nas batalhas. A solução? Tingi-las com café moído, que resultava na cor camuflada que conhecemos hoje. Foram também os soldados os super lançadores de moda da época, mais ainda quando começaram a silcar suas t-shirts com o número de seus batalhões.
Em 1950 a t-shirt cai nos braços, ou melhor, no corpo de Marlon Brando no filme Um Bonde Chamado Desejo e começa a sua peregrinação fashion. De Brando para James Dean em Juventude Transviada foi um pulo. Ponto para a t-shirt!
O primeiro artista a usar a camiseta como propaganda foi Elvis Presley, em 1956. Não se sabe ao certo, mas dizem por aí que t-shirts de Heartbreak Hotel foram distribuídas aos fãs por Colonel Tom Parker, empresário do ídolo. Logo os Beatles e a banda The Monkees seguiriam o caminho das band t-shirts.
As camisetas que compramos como souvenir nos shows de hoje também surgiram por acaso. Em 1973, no festival The Summer Jam at Watkins Glens, em Nova Iorque, o marketeiro musical Bill Graham se juntou a designer Ira Sokoloff, que desenhou camisetas específicas para o concerto, com a participação de bandas como Grateful Dead e Allman Brothers. Mais tarde veríamos camisetas desse tipo nos shows dos Rolling Stones, Sex Pistols, Nirvana e até Madonna e Michael Jackson. Quem nunca teve uma que atire a primeira pedra.
E hoje, será que estrelas como Paris Hilton e Britney Spears realmente curtem o som dos Ramones? Provavelmente não. Mas o que acontece quando o merchandising de uma banda ultrapassa o mais importante, que são as suas músicas? Seria o amor pelo vintage a razão dessa tendência? Se as roupas que escolhemos nos representam, o que Paris e Britney estariam querendo dizer?








4 comentários:

Lorena Martins disse...

I "love" NY é um exemplo de certas estrelas- ou até pessoas comuns- que certamente não são nacionalistas ou gostam de NY. Mas a moda colocou o símbolo do coração vermelho no meio de duas palavras ser uma coisa "fashion", hahaha.

Ivy disse...

Amei o post. E Paris e Britney estão querendo dizer que não tem nada a dizer mesmo! Hahaha.

Beijos!

Márcia Mesquita disse...

nossa, eu sou totalmente viciada em camisetas! compro uma todo mes ehauehuae
bjs

Anônimo disse...

You could definitely see your enthusiasm in the work you write.
The arena hopes for more passionate writers like you who aren't afraid to mention how they believe. Always go after your heart.

Also visit my web site; シチズン 时针