segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Surreal Things – Surrealismo e Design

Quando pensamos em Surrealismo pensamos em Salvador Dali. Quando se trata de moda, em Elsa Schiaparelli, estilista italiana influenciada pelo Cubismo e Surrealismo. A exposição do Victoria & Albert Museum, em Londres, Surreal Things – Surrealism and Design aborda este movimento artístico sob outros pontos de vista, explorando-o através da arquitetura, da publicidade, do teatro, do cinema, da moda e do design.

O balé russo foi uma das primeiras esferas a ser influenciada pelo Surrealismo. Prova disso é que o diretor Serge Diaghilev convidou, em 1926, os artistas Max Ernst e Joan Miró para criar a cenografia e o figurino de Romeu e Julieta. Começava aí o engajamento do movimento surrealista com o mundo comercial. Na década de 30 o movimento tem no design de objetos sua válvula de escape para a necessidade de se materializar o Surrealismo, refletindo as complexidades e contradições do mundo moderno.

Na moda, o vestido de gala de Elsa Schiaparelli, denominado Skeleton, além de seus chapéus esculturais, ressaltam a conexão do Surrealismo com o corpo. Unindo esferas como o físico e psicológico, além da exploração da sexualidade, a moda permitiu que o Surrealismo fosse comercializado de forma abrangente. Como diria Dali, “o mundo precisa de mais fantasia. Nós podemos fazer o fantástico real, e assim, torná-lo mais real do que a própria realidade”.


Manequim de André Masson fotografado por Raoul Ubac

A mesa com pés de aves de Meret Oppenheim

O vestido Skeleton de Elsa Schiaparelli

Um comentário:

Gisele Muller disse...

Oi Ana! Vi a indicação do seu blog no favoritos e passai pra conhecer. Adorei e vou linjar no meu. Ah... o meu tb foi indicada!
Bjs