quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

The Beatles Music Television


Os fãs do videoclipe, fenômeno dos anos 80 e 90, não imaginam que o formato vídeo+música teve sua origem em plena Beatlemania. Brian Epstein, empresário da banda, criou minuciosamente um plano de merchandising para vender os quatro rapazes de Liverpool. Dentre as estratégias, fazer com que John, Paul, George e Ringo trocassem o visual operário do norte da Inglaterra por ternos e fossem vistos como modelos de bom comportamento. Além disso, cada disco era acompanhado pelo lançamento de uma série de produtos, como camisetas, cintos, botoms e o que mais fosse possível estampar com o rosto dos "Fab Four".
Outra estratégia usada por Brian Epstein era a criação de filmes que tivessem como personagens principais os Beatles. O primeiro deles, a Hard Day’s Night, (no Brasil, Os Reis do Iê Iê Iê), pretendia popularizar a banda nos Estados Unidos, mercado consumidor que os Beatles estavam começando a conquistar. No filme, os quatro rapazes de Liverpool aparecem correndo de uma multidão de fãs descontroladas. As cenas, editadas em perfeita sintonia com a trilha sonora, davam os primeiros passos em direção à estética do videoclipe.
Mas o fator predominante para que os Beatles investissem cada vez mais no cinema e na TV foi a decisão de parar de se apresentar em público. Cansados dos gritos histéricos das fãs, que na maioria das vezes abafavam a música, os Beatles investiram cada vez mais no cinema e na televisão para divulgar o seu trabalho. Outro fator importante foi a criação de arranjos e efeitos musicais criados em estúdio em conjunto com o produtor George Martin, mais conhecido como “o quinto Beatle”, devido a sua influência na criação das músicas. Estes arranjos eram impossíveis de ser reproduzidos ao vivo. Os discos Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, Magical Mystery Tour e a obra prima The White Álbum são exemplos disso.
Entre a filmografia da banda, depois do fracasso de Magical Mistery Tour, a animação Yellow Submarine talvez seja a que mais se assemelhe ao videoclipe. Sucesso de público e de crítica, o desenho contou com apenas quatro canções da banda. O último filme, Let it Be, tinha como objetivo documentar os Beatles em seu processo criativo durante a gravação do álbum de mesmo nome. A banda já apresentava indícios de estar a um passo do fim. Os rapazes, nervosos e irritados, brigavam muito entre si, e apresentavam um descontentamento explícito em relação à presença de Yoko Ono, atual mulher de John Lennon. Na memória, só ficou a gravação no telhado da gravadora Apple ao som de Don’t Let me Down.
*Arte da suuper Priscilla Gandine. Valeu Pri!!!!!!!!!!!!!!!!
**Matéria publicada na edição 11 da revista Season.

6 comentários:

Carol Pfuetzenreiter disse...

adoooro!

guria, to te seguindo :) já linkei teu blog lá no meu falando da entrevista do Jun Nakao! amei!

beijos!!

jonas disse...

Sou um incuravel beatlemaniaco desde adolescente, coisa que já faz muito tempo, portanto dizer o que vou dizer é suspeito, mas digo:

Se é possivel existir uma trilha sonora para a vida de uma pessoa, a minha certamente é composta por todas as musicas desses 4 moços que diariamente fazem meu coração bater forte.

beijos e abraços

Jonas

Kodifik disse...

Beatles é fenômeno eterno. Além de música boa é estilo puro.

Um Beijo
Kodifik

Priscila D' Von disse...

Adoorooo Beatles...

Minha primeira vez aqui, to adorando...

Se voce quiser me fazer uma visita, meu blog é:

www.cafedvon.com.br

Bju

Balaio Fashion disse...

Olá, tem selinho para o Fashionistas, graças a Deus! lá no Balaio Fashion!
Neste link:
http://balaiofashion.blogspot.com/2010/01/mais-selinho-e-promocao-do-balaio.html

Bjs,

Camila

Gisele Muller disse...

Olá amiga! Tem selinho para o seu blog lá no Moda e Estilo Online! Neste link: http://modaeestiloonline.blogspot.com/2010/02/agora-esse-blog-virou-moda.html